Ativo criado para combater a celulite, a neurocafeína é capaz de estimular a circulação sanguínea, promovendo a quebra de gordura e evitando o aparecimento dos indesejáveis furinhos. Além disso, o novo queridinho da indústria cosmética ainda possui ação anti-inflamatória, cuja função calmante promete fechar os poros e manter a cútis revitalizada.
Fonte de antioxidantes, vitamina B e uma grande variedade de minerais, como cálcio e potássio, a substância age diretamente na manutenção de uma rede nervosa cutânea de boa qualidade e potencializa dois processos químicos importantes nas células adiposas: a lipólise (queima de gordura do corpo) e a lipogênese (acúmulo de gordura).




Assim, o elemento inibi o armazenamento da gordura, proporcionando mais firmeza à pele e melhorando a aparência da celulite”, explica Mauricio Pupo, farmacêutico e professor de cosmetologia. O trabalho é facilitado pela presença de cafeína vetorizada, que induz a penetração da composição do produto na cútis.
Comercializado como princípio ativo aplicado em géis, cremes e séruns manipulados, a neurocafeína incorporada em cosméticos anticelulite pode ser tão potente quanto os tratamentos estéticos como a famosa carboxiterapia, uma técnica que aplica dióxido de carbono no tecido subcutâneo para estimular o metabolismo celular. 
“A propriedade originária do café suaviza as marcas da celulite e melhora o aspecto geral da cútis, deixando-a lisinha e hidratada”, completa o especialista. Apesar da faceta milagrosa, a substância só será eficiente para a melhora na silhueta se for associada a uma alimentação balanceada e a exercícios físicos regulares