Como o álcool irrita e resseca a pele, opte por produtos com ativos anti-inflamatórios para diminuir a vermelhidão e coceira da região
Foto: Shutterstock


Ritual de beleza e higiene, a depilação pode causar dor de cabeça se alguns cuidados fundamentais não forem tomados depois da retirada dos pelinhos. Isso porque, sem as devidas precauções e o uso de produtos inadequados, o método pode causar ressecamento e até mesmo provocar alergia nada agradáveis na derme.
Para evitar problemas e deixar a área tratada ainda mais lisinha e sedosa, a dica é associar o processo de eliminação dos pelos com a adoção de cosméticos de qualidade e, preferencialmente, livres de álcool, capazes de combater as reações que tiram o sono da ala feminina. 
“O álcool irrita e resseca a pele sensibilizada com o procedimento depilatório, por isso devemos evitar ao máximo o uso dessa substância e optar por produtos com ativos anti-inflamatórios, como azuleno, corticoides e alfabisalbolol, para diminuir a vermelhidão e coceira da região recém-depilada”, explica Maria Fernanda Tembra, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD). Já nas axilas, vale a pena apostar em desodorantes em creme, bastão e roll-on, pois as versões líquidas têm base alcoólica. 
Depois da depilação, a cútis também deve receber a aplicação de um hidratante suave ou gel à base de calêndula ou camomila, que acalmam e revitalizam, assim como do filtro solar para prevenir a formação de manchas, principalmente nos casos em que o método depilatório escolhido tenha sido a cera quente, famosa por deixar a região mais exposta e vulnerável com os puxões que retiram a camada protetora da derme.
Álcool, o grande vilão  
Apesar de ser bastante utilizado nos mais variados cosméticos para inibir o crescimento de fungos e bactérias e dar mais consistência às formulações, o álcool remove a camada de gordura que protege o tecido cutâneo, deixando-o profundamente ressecado e suscetível ao surgimento de dermatites de contato. 
“Com a umidade da cútis abaixo dos níveis normais (20% a 35%), as camadas da derme entram em desequilíbrio, tornando a reposição de líquido ainda mais difícil e desencadeando diversos problemas, como prurido, queimação, sensação de estiramento e aspereza ao toque”, afirma Jakelyne Evangelista, fisioterapeuta dermato-funcional da clinica Spapelle, de São Paulo.
Por isso, para quem não deseja correr o risco de sofrer com a ação negativa de suas propriedades, o mercado já oferece diversas opções de produtos que não apresentam conservantes e, por isso, diminuem consideravelmente as chances de alergias.  “Eles são indicados para todos os tipos de pele e devem ser usados no dia da depilação e nos dois dias seguintes ao procedimento”, indica Maria.