sábado, 14 de setembro de 2013

Tratamento com hormônio do crescimento reduz vincos faciais



A percepção do avanço do tempo na pele está relacionada à quantidade de rugas e perda de elasticidade, características faciais acentuadas devido à diminuição do hormônio de crescimento no organismo. Sua produção tem queda a partir dos 21 anos de idade, chegando a menos de um terço após os 40. A boa nova é que o composto pode ser reposto e auxiliar diretamente na recuperação da jovialidade cutânea.

O reforço hormonal provoca o crescimento e a reparação das camadas da pele, pois atua na multiplicação celular, e incita a formação de colágeno, a famosa proteína da beleza. “Há duas gerações do hormônio, ambas de origem vegetal, com características idênticas ao original, que fazem estas estimulações no organismo”, explica Claudia Marçal, dermatologista e membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A reposição do hormônio do crescimento pode reverter sintomas associados à idade, como as rugas, além de tornar a pele mais elástica, com textura mais macia e diminuir a flacidez de modo geral. Isso ocorre, pois ao reparar as células danificadas durante o tratamento - que tem duração média de seis meses, mas pode variar de acordo com as características do paciente -, é promovido o preenchimento das linhas de expressão e a prevenção de novos vincos faciais.

“Estudos clínicos têm demonstrado que o hormônio não só aumenta a produção de colágeno como também diminui a expressão de uma proteína que quebra sua matriz na derme” diz a especialista. A ação é potente na pele mais velha, o que indica que altos níveis do hormônio na corrente sanguínea são relacionados a baixos índices desta enzima e, portanto, despertam uma pele de aparência jovial.

Contraindicação
A reposição levanta a possibilidade de efeitos indesejáveis, como o desenvolvimento de diabetes ao longo do tempo. “Por isso, é necessário ter em mente que apenas médicos com experiência e vivência clínica devem conduzir um tratamento com este composto”, aconselha Claudia.

Agência Hélice
Terra

Nenhum comentário:

Postar um comentário