segunda-feira, 15 de junho de 2015

Será mesmo a mamografia um benefício para a sua saúde? Desconfie!


Dr. Rondó



Muitos exames para diagnósticos, mesmo que tenham lugares certos na medicina, têm despertado grandes preocupações devido aos males que estão desencadeando. E um desses exames é a mamografia.
Dentro desse contexto quero que você, minha amiga, me responda sinceramente: por que é então que você está fazendo um exame para prevenção de doença quando na verdade pesquisas têm mostrado que este mesmo exame aumenta o risco de câncer de mama?
Recentes revisões e recomendações do U S Preventive Services Task Force dão conta de que as mulheres com 40 anos passem a fazer mamografia apenas em anos alternados ou a cada dois anos. Mesmo que essa seja uma orientação confiável, muitas mulheres ainda sentem-se inseguras com essa diminuição na frequência de realização do exame. O que elas precisam ter em mente é que essa orientação é um passo muito importante em uma nova direção que visa garantir a sua saúde.
Essa convenção de que as mulheres devem passar pelo exame de mamografia todos os anos é amplamente divulgada pela mídia. Acontece que ao contrário disso, a mídia deveria exibir as razões pelas quais a Task Force decidiu mudar as suas recomendações para a mamografia.
Por volta do ano de 2001, o exame anual era extremamente recomendado pelos médicos, mas em contrapartida tinha como resultado uma alta taxa de diagnósticos que apontavam um falso positivo. Com isso, esse diagnóstico levava a avaliações caras e que em algumas vezes caminhavam para procedimentos desnecessários e invasivos, como a biopsia e as cirurgias.
Nessa mesma época, uma publicação no Lancet revelou algo surpreendente: ele concluiu que as pesquisas sobre benefícios das mamografias foram falhas e que a quantidade de mamografias realizadas era injustificável.
O mais interessante é saber que antes dessa mudança feira pela Taks Force, o Instituto Nacional de Câncer havia sido alertado pelo professor Malcln C Pike, da Escola de Medicina da Universidade Califórnia, em 1974, de que diversos especialistas haviam concluído que "submeter uma mulher à mamografia como rotina, estando com menos de 50 anos seria quase antiético".

Mas, por que a mamografia de rotina seria antiética?

A mamografia expõe o seu corpo a uma radiação que pode ser mil vezes maior do que a exposição ao RaioX de tórax, o que aumenta a probabilidade do desenvolvimento de câncer. Além disso, na mamografia a leve compressão nos seios, muitas vezes dolorosa para a maioria das mulheres, pode espalhar células cancerosas.
Segundo o Dr. Samuel Epstein, um dos tops experts em câncer, "os seios da mulher na premenopausa são altamente sensíveis à radiação. A cada 1 rad de aumento de exposição aumenta-se o risco de câncer de seio em cerca de 1%, o que cumulativamente promove 10% de aumento de risco de câncer de mama a cada década de avaliação".
Um dos melhores relatos para detecção de câncer de mama ainda é o autoexame. Porém, é preciso ter certeza de que você está fazendo o exame corretamente.
O autoexame é básico e muito simples de ser realizado. Basta também que você esteja atenta a qualquer anormalidade de você observar, tais como:
- Um novo caroço ou nódulo duro encontrado no seu seio ou axila;
- Retração ou protuberância no seio ou no mamilo;
- Mudança no tamanho, formato ou simetria do seu seio;
- Inchaço ou espessamento do seio;
- Vermelhidão ou descamação do mamilo ou pele do seio;
- Secreção do mamilo, especialmente sanguinolento, transparente ou viscoso, escuro ou ocorre sem apertar o mamilo;
- Mudanças no mamilo como sensibilidade, dor virando ou retraindo para dentro ou apontando para uma direção nova;
- Qualquer mudança suspeita no seu peito.
Apesar de o autoexame ser uma medida adequada, ele também não está livre dos falsos diagnósticos.

Prevenção, a chave da boa saúde!

Há muitas maneiras naturais de se fazer prevenção do câncer e as pesquisas mostram que isso pode reduzir o seu risco pela metade. Consequentemente, adotando múltiplas estratégias você pode eliminar virtualmente o seu risco de câncer assim como de outras doenças degenerativas.
Sua alimentação é um dos melhores modos para a prevenção. Alimentos processados, refrigerantes, gordura trans, todas as formas de açucares e qualquer alimento contendo ou contaminado com derivados estrogênicos podem promover o crescimento de tumores. Os vegetais especialmente os escuros, muitos fitoterápicos são preventivos para o câncer.
Óleos saudáveis como o óleo de coco extra-virgem, o Ômega 3 e Ômega 9 podem reduzir a sensibilidade estrogênica que induzem o aparecimento de câncer na mama, próstata e colon.
Lancet 1993; 341: 973-8
BNJ 2009; 338: 446-8
J Natic Câncer Inst (2007) 99 (15): 1178-1187
Cochrane Database of Systematic Reviews July 2008; issue 3
Gotzsche P C Mammography Screning: Truth, Lies and controversy
London: Radcliffe Publishing; 2012
BNJ 2006; 332: 538-41
BMJ 2004; 328: 148 - 51
Lancet 2002; 359: 909-19
Raiology 2011, 260: 621-6
BNJ 2010, 340: c1241
Annals of Internal Medicine 2002; 137 (Spart 1): 347-60
BNJ 2011, 343: d 4411

Nenhum comentário:

Postar um comentário